segunda-feira, 8 de junho de 2020

Rodrigo Ruan Rian Fonseca foi preso por policiais da 8ª Cicom.
Foto: Reprodução/Redes Sociais
Na manhã desta sábado (06), um homem de 24 anos, identificado como Rodrigo Nogueira Fonseca que agrediu o próprio filho de 02 anos de idade e filmou toda a agressão foi preso pelos polícias da  8ª Companhia Interativa Comunitária (CICOM).
Toda a agressão foi filmada pelo pai da criança, e o vídeo começou a circular pela internet, e revoltou a população.
No vídeo ele grita, humilha, bate e chama diversos palavrões para a criança. Rodrigo foi preso em uma quitinete no bairro Lírio do Vale, Zona Centro-Oeste de Manaus, onde estava escondido desde que o vídeo viralizou e causou uma revolta geral junto a Polícia, a População e  traficantes.
Rodrigo diz que está morrendo de medo de ser morto na cadeia porque sabe que no Código de Conduto dos presidiário quem comete crime contra criança está marcado para morrer.
Após ser preso pela PM, o homem foi encaminhado até a Delegacia Especializada em Proteção à Criança e Adolescente (Depca), para procedimentos cabíveis.




Entenda o caso

Internautas de Manaus viralizaram na última semana vídeos nos quais uma criança de dois anos é agredida fisicamente, xingada e obrigada a lavar as próprias roupas após fazer suas necessidades fisiológicas. Nas redes sociais uma suposta vizinha pede ajuda para denunciar o agressor identificado como Rodrigo Ruan Rian Fonseca, que em seu perfil se diz ser "Deus".

"O vídeo foi uma amiga que me enviou. Ele mora no Santo Agostinho" , diz uma das internautas que compartilharam as imagens nas redes sociais.

As imagens mostram claramente que, indefeso, a criança fica sem entender o que está acontecendo. E após isso cai no choro. O agressor ainda compara o menino a mãe.

"Lava tua roupa. Ainda fica me olhando? Parece tua mãe", diz o pai do menino.

"Afastem essa criança desse homem. Pelo amor de Deus" , clamou outra internauta.

As imagens foram encaminhadas para autoridades e personalidades, que estão divulgando o caso para identificar e encontrar o agressor.

Via a Critica

0 comentários:

Postar um comentário