segunda-feira, 5 de agosto de 2019




Uma escola sem teto, sem banheiro, sem paredes e sem água pode ser chamada de escola? E se marimbondos e cachorros convivem no mesmo espaço que os alunos? Isso é escola?

Por muitas décadas, muitos alunos conviveram com esse cenário. E muitos alunos já viram essa realidade mudar com o Escola Digna, que construiu, reconstruiu ou reformou mais de 850 colégios em todo o Maranhão desde 2015.

Ainda falta muito, claro, para o Maranhão ter a Educação ideal. Mas muito já foi feito. É em homenagem aos alunos que viveram e estão vivendo essa mudança que reunimos aqui histórias de como eles faziam para estudar, mesmo com todas as dificuldades que enfrentavam no dia a dia.

Em todos os casos abaixo, uma Escola Digna mudou a realidade dos estudantes:

Forno

No povoado Ananás, em Tutóia, o maior problema era a temperatura na escola Samuel Oliveira. Era tão quente que parecia um forno. Fora a sujeira.

“Era pequena, não tinha janela, era quente e tudo sujo”, conta a estudante Fabrícia de Oliveira. “Era muito sufocada, era pequena, era uma coisa muito fechada, escura, fazia calor”, acrescenta o colega Elienay Silva.

No mês passado, tudo mudou. “Essa escola nova é bonita. Tem cadeira, mesa, janela de vidro. Essa escola deixou meu coração muito feliz, ele ficou batendo de alegria”, diz Fabrícia.

Com marimbondos

Até dois anos atrás, a professora Luiza Souza não sabia muito bem como era ensinar em uma escola de verdade, embora já estivesse havia mais de duas décadas no ofício.

“Eu estou há 24 anos nessa área e nunca tinha trabalhado num prédio, só em salinha emprestada. Até debaixo de árvores já dei aula”, contou a professora às vésperas da entrega da nova escola Raimundo Ferreira Lima, em Tuntum, em setembro de 2017.

De acordo com Luiza, antes disso as dificuldades apareciam quase diariamente: “Às vezes, tinha marimbondo dentro da sala, tinha que sair. E hoje é um sonho realizado”.

Banheiro sem fossa

Alguns colégios tinham problemas que quase inviabilizavam a frequência escolar. Por exemplo, um banheiro sem fossa e o mato invadindo a sala. Era assim a escola Anna Bernardes, em Timon. “Nós tínhamos uma escola sucateada. Desde a parte elétrica, sanitária, portas e janelas quebradas, o mato invadia a sala, os banheiros não tinham fossa. Era uma situação muito difícil”, diz o gestor geral Marcus Pinto.

O calor e a falta de ventilação também eram constantes, de acordo com a professora Janaina Sobral. “Dava era pena pedir alguma análise textual ou produção para os meus alunos. Eles não sabiam se se abanavam ou escreviam. Por muitas vezes não se concentravam e pediam para sair da sala de aula por causa do calor insuportável”.

Sem banheiro

Se algumas escolas não tinham banheiro com fossas, outras nem banheiro tinham. Era o caso da escola Deus é Amor, no povoado Taboca, em São João do Sóter. A antiga escola funcionava em uma pequena sala feita de taipa e coberta de palha, chão batido e sem banheiro.

Agora, os alunos têm uma escola de verdade, com quatro banheiros, cozinha, sala para gestor e professores, pátio central, poço artesiano, rede de distribuição de água, redes elétrica e hidráulica, entre outros espaços.

Com cachorros

E quando a sala de aula tem outros ocupantes além dos alunos? Assim era o dia a dia no povoado São José do Nena, em Parnarama.

“A escola antiga era de palha, os cachorros dormiam dentro, era tudo esburacada. Era de barro, nem piso era. Era um forno, um entrava e outro saía”, contou Luciane Oliveira dos Santos, que tinha três filhos matriculados na nova escola Nossa Senhora de Lourdes, na época da inauguração, há um ano e meio.

Desde então, os alunos estudam em salas boas, ventiladas e sem animais para distraí-los.

Inundação

E o que dizer, então, da primeira Escola Digna do Maranhão, entregue há pouco mais de três anos? Foi no povoado Muriçoca, em Fortaleza dos Nogueiras. Antes, a escola Pedro Álvares Cabral funcionava num barracão com duas salas apertadas e inundava quando chovia.

Era uma salinha que mal acomodava a turma de 20 alunos. Desde a entrega, a realidade é outra. Muriçoca deixou de ser um povoado ignorado para virar a menina dos olhos da cidade.

“Hoje acontece de a gente estar em sala de aula e chegar pessoas para visitar a escola. E o que a gente mais escuta é que a escola é linda”, diz o professor Leandro Brito da Silva.

Sem água, sem carteira

Muitas vezes, nem o mais básico existia. No povoado Bom Jardim, os alunos não sabiam o que era escola de verdade. Não havia água, não havia carteiras, não havia banheiro.

“Aqui era só sofrimento para essas crianças. Elas têm vontade de estudar e não tinham um pingo de conforto, não tinha água no pote, não tinha banheiro, até as cadeiras eu que dava”, diz Osmarina Silva Pereira, moradora e zeladora do casebre de barro e palha que abrigava a escola Machado de Assis.

“Todo mundo merece uma coisa melhor e foi Deus que tocou no coração do Flávio Dino e construiu essa escola para nossas crianças”, conta Osmarina.

Aperto

Em Grajaú, os alunos da escola municipal Domingos Machado viviam apertados. Os estudantes se espremiam no mesmo espaço em que ficavam os matriculados do ensino médio. Os 250 alunos não tinham espaço e nem conforto suficientes.

“Não era fácil, nossos alunos não conseguiam expor um trabalho, era tudo feito com muita dificuldade. Como na Domingos Machado não couberam todos, eles nos deslocaram para o Centro de Ensino Ney Braga, que entrou em reforma”, diz a gestora Evaneide Borges de Carvalho.

“Aí nos deslocaram novamente para um prédio pequeno. Essa nova escola se tornou um sonho realizado. Agora nós temos um prédio adequado e digno para nossos estudantes”, acrescenta.

Sem teto

Era junho de 2017 quando, no povoado Bacuri, em Peritoró, a professora Narcisa da Silva Corrêa pegou emprestados os versos da canção de Vinícius de Moraes para falar do local onde dava aula: “Era uma escola muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada”.

Era a escola Juarez Nunez. As paredes de taipa e o telhado de palha do barracão eram a estrutura precária disponível para atender várias séries ao mesmo tempo.

Entulho


Era para ser um pátio, mas na prática era um depósito de entulhos. Assim era a escola Maria Luiza Viana, em Buriti. O prédio fundado em 1953 era precário.

“A escola era cheia de cubículos, desorganizada, não parecia em nada com o que temos hoje. Aquela área [mostrou o pátio coberto] era um lugar de entulhos. Aqui era insalubre, uma situação complicada”, relatou a gestora geral Alcilene Soares.

Sem piso

“A escola antiga não tinha piso, não tinha ventilador, o banheiro era ruim. Agora aqui, não, vamos ter bebedouro, diretor, zelador, vai ser bem melhor.”

A fala da estudante Keully Carmo da Silva ilustra bem como era e como passou a ser a escola Arco da Felicidade, no povoado Riacho do Meio, em Barreirinhas.

Antes, era um barracão improvisado. Agora, existe escola de verdade, além de poço artesiano que atenderá aos estudantes de Riacho do Meio e povoados vizinhos.

Escuridão

Se já é difícil aprender no calor abafado, imagina num ambiente quente e escuro. “Lá onde a gente trabalhava não tinha ventilação, era escuro, às vezes a gente não conseguia nem olhar a lousa”, conta a professora Andréia Davi, que ensina há 12 anos na escola Manoel Nunes Diniz, em Passagem Grande II, zona rural de Paulino Neves.

A mudança salta aos olhos. “Quando eu estudei aqui, era ruim para nós. Hoje, a gente tem uma oportunidade ótima de ter uma escola nova, maravilhosa”, afirma a estudante Flávia Silva Sousa.

0 comentários:

Postar um comentário

Facebook

Rádio do seu Coração